HomeEconomiaAgricultura

Plano Nacional de Fertilizantes propõe aumentar produção interna até 2050

Plano Nacional de Fertilizantes propõe aumentar produção interna até 2050Tereza Cristina e Paulo Guedes. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Por que Mauro Mendes quer tanto construir hidrelétricas no Pantanal
Tesouro suspende contratação de linhas com subsídio no crédito rural
Chuvas afetaram qualidade da pluma, mas não colheita do algodão

Por Vinicius Marques

O Plano Nacional de Fertilizantes foi lançado nesta sexta-feira, 11/03. Com o decreto, o governo pretende reduzir a dependência brasileira de importação de insumos (atualmente de 85%), assegurar contratos já existentes do mercado externo e estimular a produção dentro do País para aumentar a produção até 2050. Foi criado também o Conselho Nacional  de Fertilizantes e Nutrição de Plantas, consistindo em 4 câmaras setoriais que abrigam representantes do agronegócio e técnicos de todas os campos necessários para a execução do plano.

O plano, segundo Flávio Rocha, secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, conta com um total de 80 metas e 130 ações estruturantes e segue as diretrizes de sustentabilidade, atração de investimentos na parte de ciência e tecnologia, segurança jurídica e governança. “Não [consiste] só em um plano estratégico até 2050, mas há também ações mais imediatas”, disse o secretário em transmissão ao vivo do lançamento.

Dentre as ações prioritárias, está a chamada diplomacia dos insumos, determinando que todos os postos brasileiros no exterior que estejam em países produtores tenham seus contratos não só garantidos, como também possibilitem aumentar o fornecimento de importação, utilizando excedentes. Outra prioridade é o incentivo da capacidade produtiva nacional. O plano apoiará a conclusão de 21 obras brasileiras, especialmente de fábricas do insumo, que estão ainda inacabadas ou abandonadas. Para isso, o governo pretende contar  com  financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

“Nós temos também prioridade para mudarmos o foco da utilização dos fertilizantes tradicionais (NPK) para as chamadas cadeias emergentes, como bioinsumos e organominerais”, diz Rocha.

Flávio Rocha citou ainda a transferência de recursos para a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a fim de colocar em prática 50 projetos da entidade. Além disso, há também a Caravana FertBrasil, promovida pela Embrapa, que está atrelada ao plano e tem como principais objetivos: promover o aumento da eficiência de uso dos fertilizantes e insumos no campo, diminuir custos de produção dos produtores rurais e estimular a adoção de novas tecnologias e de boas práticas de manejo de solo, água e plantas.

O uso da nanotecnologia será outra frente do plano, de acordo com o secretário, com o objetivo de customizar e estender o efeito de insumos para determinadas culturas, com menos quantidade de produtos. Por fim, na área da Educação, o Plano Nacional de Fertilizantes quer subsidiar a capacitação de profissionais voltados para a tecnologia de tais insumos.

“Ainda precisaremos importar fertilizantes em 2050, data que definimos como meta final para a conclusão desse plano nacional? Sim, nossa demanda por nutrientes para as plantas é proporcional à grandeza da nossa agricultura. Não estamos visando a autossuficiência, mas teremos nossa dependência externa reduzida”, disse a atual ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Tereza Cristina.

No dia 16/3, a ministra irá levar as preocupações do Brasil relacionadas à crise dos fertilizantes para a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e ao Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). O tema será debatido durante a Mesa Redonda sobre Insumos para Sistemas Agroalimentares Sustentáveis da FAO.

A previsão é de que Tereza Cristina permaneça no comando do ministério até o final de março porque ela deve concorrer a uma vaga no Senado pelo Estado de Mato Grosso do Sul. A legislação eleitoral determina que qualquer ocupante de cargo em ministério deve deixar a função no prazo de seis meses antes da eleição, marcada para outubro.

LEIA MAIS:

‘Mudar lei ambiental não vai resolver o nosso problema com fertilizantes’

Árabes querem ampliar exportação de fertilizantes para o Brasil

Caravana itinerante vai mostrar como aumentar eficiência de fertilizantes

Brasil tem fertilizante suficiente até outubro, garante Tereza Cristina

Tensão entre Rússia e Ucrânia pode afetar importação e exportação brasileiras