HomeAgricultura

Fávaro destaca prioridades do Mapa para o setor agropecuário na Câmara

Fávaro destaca prioridades do Mapa para o setor agropecuário na CâmaraAbertura de mercados, crédito rural e legislação em debate. Foto: Mapa

Debate na Câmara dos Deputados defende desmatamento zero para controle das mudanças climáticas
Comissão aprova criação de fundo para indenizar pecuarista que tiver animal sacrificado
Câmara derruba proteção de vegetação não florestal

Carlos Fávaro participou na quarta-feira, 3/5, de audiência pública na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados. Ele falou sobre as prioridades e as ações do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) para 2023 e respondeu aos questionamentos dos parlamentares sobre diversos temas.

O ministro ressaltou que tem buscado conversar com todos os lados do setor produtivo e com os parlamentares para que as demandas sejam tratadas de forma pontual. Nesse sentido, o ministro se disponibilizou para manter reuniões regulares para ouvir os deputados sobre as necessidades de seus estados. Ele também salientou que pretende andar pelo Brasil para ver de perto as deficiências e dificuldades do produtor.

“Vou visitar o Brasil, botar o pé na estrada cada vez mais, conversar com todos. Só conhecemos a realidade quando chegamos na ponta para ver o que falta, o que está acontecendo. Vou continuar fazendo isso para que possamos juntos fazer da agropecuária ainda mais forte”, disse.

Exportações

O bom desempenho do agronegócio brasileiro foi destacado pelos números sobre as exportações de carne e os avanços na disponibilização de crédito para o setor.

“A política de incentivo às exportações e a abertura de mercados serão sempre reforçadas e prioritárias. Estamos trabalhando muito para ampliarmos as nossas exportações”, afirmou.

Ele lembrou que nos 120 dias de governo já foram abertos 17 novos mercados.

“Abrimos o canal com o mercado mexicano depois de 20 anos e ampliamos os negócios com a China”.

Plano Safra

Enquanto trabalha no complemento do Plano Safra 2022/2023 até o lançamento do novo, o Mapa tem buscado alternativas de financiamento para o setor, como a recente disponibilização do crédito dolarizado pelo BNDES com apoio do Mapa.

“Já disponibilizamos, nessa primeira etapa, mais de R$ 2 bilhões que foram contratados em um dia. A ideia é oferecer novos recursos”, revelou.

Prioridades

Entre outras ações consideradas prioritárias, o ministro destacou o investimento em tecnologia e inovação e a ampliação de linhas de crédito para a condução de políticas públicas para impulsionar o setor agropecuário brasileiro.

Destinado ao pagamento de indenizações a pecuaristas que tiverem animais de sua criação sacrificados por problemas sanitários, o Projeto de Lei 4583/20 que institui o Fundo Nacional de Defesa Sanitária Animal (Fundesa) é um dos pontos de atenção do Ministério. O amparo virá de recursos federais de acordo com a disponibilidade no Orçamento da União. O projeto está sendo analisados pelo Congresso Nacional.

“Precisamos de um sistema de defesa ativo e, nesse sentido, o projeto que cria o fundo de defesa sanitária é fundamental. Até agora escapamos de doenças como a gripe aviária e a peste suína graças ao sistema de defesa dos produtores”, defendeu  Fávaro.

O ministro ainda destacou a importância da atualização da legislação do setor.

“O mundo inteiro está avançando com leis mais modernas e eficientes. Não podemos ter uma legislação engessada e burocratizada. O Brasil precisa se modernizar para dar competitividade e ganho aos produtores e ao meio ambiente e o Congresso Nacional tem feito sua parte”, disse.

Infraestrutura e estradas

Ao lembrar que o governo federal já destacou cerca de R$ 2,7 bilhões para recapeamento de rodovias e melhorias de infraestrutura para dar melhor vazão à safra, Fávaro reforçou a necessidade de investimento em unidades portuárias e estradas fora da malha principal do sul para melhorar a competitividade do sistema produtivo e pediu aos parlamentares que ajudem com a indicação de recursos para a recuperação de estradas vicinais não pavimentadas que são de extrema importância para dar fluidez para os produtores rurais nos locais mais distantes.

“É fundamental o apoio do Ministério dos Transportes e temos conversado muito sobre essas questões. O asfalto leva progresso para a região, mesmo para o produtor que está mais distante da malha principal, mas que espera também melhorias nas estradas vicinais que ainda não são asfaltadas”, destacou.

Ao encerrar sua participação, o ministro Fávaro afirmou que vai continuar trabalhando em prol da agropecuária brasileira e do homem do campo para tornar o Brasil mais competitivo e gerar emprego e oportunidade.

Fonte: Mapa