HomeEcologia

Mato Grosso e Pará concentram 91,9% do garimpo no Brasil: Peixoto de Azevedo é polo

Mato Grosso e Pará concentram 91,9% do garimpo no Brasil: Peixoto de Azevedo é poloGarimpo desativado na Terra Indígena Kayapó. Foto: WWF-Brasil

Monitoramento do Plano Amazônia poderia ser mais preciso e eficiente
Primeiro projeto de REDD de Mato Grosso auxiliou na redução do desmatamento
Decreto sobre ‘mineração artesanal’ pode virar incentivo ao garimpo ilegal

Por: André Garcia

Peixoto de Azevedo, no norte de Mato Grosso, ocupa a terceira colocação entre os municípios com maior área de garimpo no Brasil, com 11.221 hectares explorados. O nosso Estado, ao lado do Pará, concentra 91,9% do garimpo no país, com 59.624 e 113.777 hectares explorados, respectivamente.

Os dados, divulgados pelo MapBiomas nesta terça-feira, 27/9, aponta que, se considerada a mineração industrial e a atividade garimpeira, a porcentagem nos dois territórios é de 71,6%. De acordo com o estudo, a área de garimpo no Brasil dobrou em apenas uma década e confirmou a tendência de ultrapassar a mineração industrial.

Assim, de 1985 até o ano passado, o garimpo passou de 99 mil hectares para 196 mil hectares entre 2010 e 2021. A mineração industrial, por sua vez, precisou de duas décadas para ver os 86 mil hectares de área ocupada em 2001 dobrarem para os 170 mil hectares registrados em 2021.

Este é o terceiro ano consecutivo no qual mais território é ocupado pelo garimpo do que pela mineração industrial. A expansão tem endereço certo: o Bioma Amazônico.

“A série histórica mostra um crescimento ininterrupto do garimpo e um ritmo mais acentuado que a mineração industrial na última década, além de uma inequívoca tendência de concentração na Amazônia, onde se localizam 91,6% da área garimpada no Brasil em 2021”, explica Cesar Diniz, coordenador técnico do mapeamento.

Na série histórica, o garimpo só suplantou a área ocupada pela mineração industrial no final do século passado, entre 1989 e 2000.

Áreas protegidas

O relatório do MapBiomas aponta que a expansão garimpeira na Amazônia foi mais intensa em áreas protegidas, como territórios indígenas e Unidades de Conservação. Entre 2010 e 2021, as áreas de garimpo em terras indígenas cresceram 632%, ocupando quase 20 mil hectares no ano passado.

A terra indígena mais explorada foi a Kayapó (PA), na qual 11.542 hectares foram tomados pelo garimpo até 2021. Em seguida vem o território Munduruku (PA), com 4.743 hectares, a terra Yanomami (RR/AM), com 1.556 hectares, a Tenharim do Igarapé Preto (AM), com 1.044 hectares, e o território Apyterewa (PA), com 172 hectares.

O garimpo cresceu 352% dentro de Unidades de Conservação entre 2010 e 2021. A série histórica mostra que a área ocupada até 2010 encontrava-se abaixo de 20 mil hectares. Em 2021, já eram quase 60 mil hectares. Desse total, quase dois terços ficam na APA do Tapajós, onde o garimpo já ocupa 43.266 hectares.

Em segundo lugar vem a Flona do Amanã, com 5.400 hectares, seguida pela Flona do Crepori (1.686 hectares), a Parna do Rio Novo (1.637 hectares) e a Flona do Jamari (1.191 hectares).

Garimpo e mineração industrial

Ao todo, a Amazônia concentrava 242.564 hectares de área minerada (ou seja, somando garimpo e mineração industrial) em 2021. No caso da Mata Atlântica, esse total é de 63.892 hectares; no Cerrado, 46.070 hectares. A liderança da Amazônia permanece quando analisamos somente o garimpo, com 179.913 hectares. O Cerrado assume o segundo lugar, com 13.253 hectares e a Mata Atlântica o terceiro, com 2.299 hectares.

No caso da mineração industrial, a situação é diferente. Há quase um equilíbrio entre a área ocupada na Amazônia (62.650 hectares) e na Mata Atlântica (61.593 hectares). Outros 32.817 hectares ficam no Cerrado.

A diferença fica por conta de Minas Gerais, que lidera a modalidade industrial, com quase metade (46,9%) do total nacional, ou 61.181 hectares. Os outros Estados com maior área de mineração industrial são Pará (42.216 hectares), Goiás (11.606 hectares), Amazonas (8.166 hectares) e Bahia (7.442 hectares). Juntos, Minas Gerais e Pará respondem por 79,2% da área de mineração industrial brasileira.

LEIA MAIS:

Mergulhadores de garimpo de MT trabalham em condições precárias, diz MPT

Operação desmonta esquema de garimpo ilegal em MT

Casos de malária caem 67% com fechamento de garimpos ilegais em MT

Decreto sobre ‘mineração artesanal’ pode virar incentivo ao garimpo ilegal

Policiais ambientais da PM fecham garimpo ilegal em Peixoto de Azevedo

Governo de Mato Grosso vai reativar mais dois garimpos em Mato Grosso