HomeEcologia

MT lidera número de alertas de desmate na Amazônia em fevereiro

MT lidera número de alertas de desmate na Amazônia em fevereiroMato Grosso teve 49,35 km² de desmatamento em fevereiro. Foto: Sema-MT

COP26: Empresas se comprometem com US$ 3 bi para gado e soja livre de desmatamento
Ibama só gastou 41% dos R$ 219 milhões da verba para fiscalização
Embaixador da Alemanha condiciona liberação do Fundo Amazônia à redução do desmatamento

Dados do sistema Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados  nesta sexta-feira, 11/3, reafirmam que o desmatamento na maior floresta tropical do planeta segue fora de controle. Entre os dias 1º e 28 de fevereiro, os alertas apontam para um total de 199 km² desmatados. Isso representa um aumento de 62% em relação ao mesmo mês de 2021. É a maior área com alertas para o mês desde 2016, quando foram iniciadas as medições do Deter-B.  O Mato Grosso foi o estado com maior área sob alerta de desmatamento: 78 km². Em seguida vieram Pará, com 49 km², Amazonas, com 40 km² e Rondônia, com 23 km².

Roraima registrou 5 km² e Maranhão ficou com 3 km². Acre, Amapá e Tocantins não tiveram alertas de desmatamento em fevereiro.

Os dois primeiros meses deste ano tiveram áreas recordes da série histórica, no acumulado já são 629 km² mais do que o triplo do que foi observado no ano passado, 206 km² desmatados. Isso tudo em um período no qual o desmatamento costuma ser mais baixo por conta do período chuvoso na região. Este aumento absurdo demonstra os resultados da falta de uma política de combate ao desmatamento e dos crimes ambientais na Amazônia, impulsionados pelo atual governo. A destruição não para”, afirma o porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista.

A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro, e engloba a área de 8 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

Publicado na última segunda-feira, 7/3, um estudo da Universidade de Exeter revelou que a floresta amazônica está perdendo sua capacidade de manutenção, chegando em um “ponto de não retorno”. De acordo com o estudo, três quartos da floresta estão apresentando uma resiliência cada vez menor contra secas e outros eventos climáticos adversos e, portanto, estão menos capazes de se recuperar. Assim, a previsão é de que grandes áreas irão começar a se transformar em um bioma mais parecido com uma área de floresta degradada e mais seca, gerando riscos para a biodiversidade e para o clima em escala global e intensificando a ocorrência de eventos climáticos extremos.

Na mesma semana em que milhares de pessoas se reuniram em Brasília, no Ato pela Terra, para exigir que o governo e o Congresso parem com o Pacote da Destruição, esse estudo publicado, a aprovação de urgência do PL da mineração em terras indígenas e os recordes dos alertas de desmatamento nos levam a refletir sobre o destino da Amazônia e seus povos. Além disso, quanto mais desmatamento, maior é a contribuição do país com a emissão de gases do efeito estufa, agravando ainda mais a crise climática e acelerando os eventos extremos como as chuvas torrenciais que vimos esse ano no Brasil. Os dados de fevereiro apontam para mais um ano em que o Brasil caminha na contramão do combate à destruição ambiental e dos direitos dos povos indígenas”, complementa Batista.

Fonte: Greenpeace e G1

LEIA MAIS:

1% de imóveis coloca Mato Grosso como 5º maior em desmatamento do Cerrado

Plataforma estima risco de 15 km² de desmatamento na Amazônia em 22

Avanço do desmatamento reduz biodiversidade no Cerrado e na Amazônia, diz estudo

Desmatamento deprecia terra e commodities agrícolas, diz estudo

Em 11 anos, 92% do desmatamento em fazendas de soja de MT foi ilegal, diz estudo

Mato Grosso responde por 17,1% do desmatamento de 13,2 mil km² na Amazônia

Redução do desmatamento é desafio para adesão do Brasil à OCDE