HomeEcologiaEconomia

Agro pode liderar estratégias para transformar biodiversidade em ativo financeiro

Agro pode liderar estratégias para transformar biodiversidade em ativo financeiroBiodiversidade tem importância interespecífica entre as espécies. Foto: Secom-MT

Desmate avança sobre a Amazônia e acende alerta para o agronegócio
Lideranças querem criar “agenda da Amazônia” para próximo governo
Cerrado tem recorde de queimadas em maio; número é o maior desde 1998

Por André Garcia

Pecuária no Pantanal, extrativismo na Amazônia e agricultura no Cerrado são só alguns dos exemplos de como o agronegócio vem colocando a fauna e a flora brasileiras a seu favor ao longo das décadas. A expertise pode fazer com que o setor lidere estratégias para ampliar as possibilidades de negócios sustentáveis, convertendo a biodiversidade em ativo financeiro e impulsionando o crescimento do Brasil.

Nesta segunda-feira, 22/5, Dia Internacional da Diversidade Biológica, o Gigante 163 mostra alguns exemplos de como a conversação da biodiversidade se converte em ganhos em diferentes áreas do agro.

A startup de reflorestamento Belterra enxergou potencial nas regiões de Alta Floresta, Carlinda e Paranaíta, em Mato Grosso, onde vai investir na produção de cacau e, de quebra, restaurar 1.000 hectares de áreas degradadas. Recentemente, seu CEO Valmir Ortega contou à reportagem, que isso será possível graças a implantação de sistemas agroflorestais, que misturam as árvores da fruta com outras culturas e vegetação nativa.

“Não estamos falando de monocultura de cacau. Haverá um conjunto de outras espécies, como mandioca, banana e milho. Isso tudo, pensando tanto na comercialização e geração de renda, quanto no papel que estas plantas exercem na recuperação do solo”, disse.

No equilíbrio entre a fauna e flora também há oportunidade para os produtores de mel em Mato Grosso, que ocupa atualmente o 14º lugar no ranking nacional com a produção anual de 466 toneladas. O número poderia ser muito mais alto, já que o Estado, mesmo com uma vegetação formada por três biomas ricos em espécies que contribuem de forma direta para a apicultura, explora apenas 0,3% de seu potencial apícola.

Prefeitura de Sorriso

De acordo com a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), em Mato Grosso o clima é favorável propicia produção durante todo o ano. De modo geral, uma colmeia resulta em média em 30 quilos de mel por ano. Na região do Pantanal, contudo, a quantidade quase duplicou, atingindo uma média de 50 quilos de mel/ano.

Isso lembra que a biodiversidade tem importância interespecífica (entre as espécies). Ou seja, o desmatamento e as queimadas afetam o ciclo de cada uma delas nos biomas, prejudicando, por exemplo, os controladores naturais de pragas. É a partir desta lógica que agem os bioinsumos, que apresentaram salto de 67% nas vendas no ano passado.

Os produtos são uma alternativa para a redução do uso de agrotóxicos e pesticidas. Com base no controle biológico e na fixação de nitrogênio no solo, eles barateiam a produção garantindo, a partir de tecnologias sustentáveis, eficiência no controle de pragas e na fertilização. É o que explica o engenheiro agrônomo e especialista em Agroecologia e Produção Orgânica da Empaer, Rogério Leschewitz.

“Os biofertilizantes, que a agroecologia já fabrica há muito tempo, agora estão entrando com força também na agricultura convencional. Esta é uma grande oportunidade para o produtor. Em comparação com os agrotóxicos, que tem esse grande problema dos resíduos refletido tanto no produto quanto no meio ambiente, onde ele é despejado, eles são muito melhores”, afirma.

Adotada por grandes produtores, a mesma técnica também é utilizada por agricultores familiares do projeto Sinop Orgânico, que ajudam a abastecer uma das principais produtoras de grãos do país com alimentos básicos. Por meio da agroecologia, eles apostam na transição para a produção orgânica para alcançar incremento de até 30% nos lucros.

Os pecuaristas José Leandro Olivi Peres e seu pai José Peres, da Fazenda Pontal, em Nova Guarita, também são um caso de sucesso quando se fala em conservação. Com base na adoção da integração lavoura-pecuária (ILP) e na maior oferta de forragem durante o período seco do ano, a taxa de lotação de até três unidades animal por hectare (UA/ha), enquanto a média brasileira é de cerca de 0,5 UA/ha.

Indústria é aliada

Agricultor familiar comercializa seus produtos na feira, em Alta Floresta. Foto: IOV

Bebendo da fonte de matérias primas e insumos para a produção de alimentos, remédios, vacinas, biocombustíveis, a indústria será uma aliada indispensável nesta missão. Dados da Associação Brasileira de Bioinovação (ABBI) mostram que o faturamento da indústria nacional pode ter um acréscimo de US$ 284 bilhões ao ano se o país investir em tecnologias inovadoras.

O desenvolvimento de biocombustíveis, plástico verde e outros bens de alto valor agregado, como tecidos, fertilizantes e aditivos químicos são algumas das possibilidades. Além disso, a produção de bioenergia tem forte interação com inovações nos setores da agricultura, da silvicultura e de gestão de resíduos, uma vez que se busca uma oferta sustentável de biomassa.

A atenção sobre as mais de 116.000 espécies animais e mais de 46.000 espécies vegetais conhecidas no país também deve impactar o mercado de trabalho. Segundo o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo divulgado pelo Senai, a área de Meio Ambiente é a segunda com maior projeção de crescimento no número de vagas nos próximos anos: 16% – fica atrás apenas de Logística e Transportes, com 47% das ocupações industriais.

LEIA MAIS:

Pouco explorada, produção de mel pode ter aumento de 300 toneladas por ano em MT

Sinop busca vencer baixa oferta de alimentos básicos com programa de agroecologia

Conheça sete razões para apostar nos bioinsumos

ILPF é bastante lucrativo, mas exige planejamento; veja como migrar

Tecnologia e manejo sustentável aumentam produtividade de bezerros em 20%

Pouco explorada, produção de mel pode ter aumento de 300 toneladas por ano em MT