HomeEcologiaEconomia

Senado exclui agro de projeto que regulamenta mercado de carbono

Senado exclui agro de projeto que regulamenta mercado de carbonoProjeto segue para Câmara dos Deputados. Foto:Geraldo Magela/Agência Senado

Ativo econômico: defesa de direitos indígenas é bom negócio para MT
Autocontrole agropecuário: entenda como será a fiscalização da produção
Projeto de reforma tributária pode elevar custo do agro, diz presidente da FPA

Com plantações e rebanhos isentos dos limites de emissões, foi aprovado pelo Senado nesta quarta-feira, 4/9, o projeto de lei (PL) 412/2022, que regulamenta o mercado de carbono no Brasil. A votação foi possível após acordo entre a Comissão de Meio Ambiente (CMA) e Frente Parlamentar da Agropecuária, que sugeriu emendas ao texto.

Assim, foi apresentado um novo substitutivo que exclui o agronegócio de obrigações previstas no Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SBCE). Isso porque, o texto não considera a produção primária agropecuária como atividades, fontes ou instalações reguladas e submetidas ao SBCE.

“O mérito das emendas reflete o que se observa nos principais mercados regulados de carbono em que a agropecuária não é incluída na regulação, sobretudo pela importância do setor para a segurança alimentar e pelas muitas incertezas ainda existentes na metodologia de estimativa de emissões”, afirmou a relatora, senadora Leila Barros.

De acordo com ela, mais importante que regular atividades agropecuárias é incentivar a difusão de técnicas de agricultura de baixo carbono que, ao mesmo tempo, aumentem a renda do produtor rural, tornem os sistemas rurais mais resilientes aos efeitos adversos da mudança do clima e proporcionem redução e sequestro de emissões.

Outro dispositivo aprovado retira do sistema as emissões indiretas decorrentes da produção de insumos ou de matérias-primas agropecuárias. Agora a matéria segue para a Câmara dos Deputados.

SBCE

O SBCE prevê cotas de emissão anual de gases de efeito estufa distribuídas aos operadores. De acordo com a proposição, quem reduzir as próprias emissões pode adquirir créditos e vende-los a quem não cumprir suas cotas. O objetivo é incentivar a redução das emissões, atendendo a determinações da Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei 12.187, de 2009) e acordos internacionais firmados pelo Brasil.

De acordo com o PL 412/2022, ficam sujeitas ao SBCE empresas e pessoas físicas que emitirem acima de 10 mil toneladas de gás carbônico equivalente (tCO2e) por ano. Esses operadores devem monitorar e informar suas emissões e remoções anuais de gases de efeito estufa. Quem emitir mais de 25 mil tCO2e também deve comprovar o cumprimento de obrigações relacionadas à emissão de gases.

O descumprimento das regras do SBCE pode acarretar punições como multa de até R$ 5 milhões ou 5% do faturamento bruto da empresa. Um ato do órgão gestor do SBCE vai definir as infrações puníveis. Outras sanções previstas são:

• embargo da atividade;
• perda de benefícios fiscais e linhas de financiamento;
• proibição de contratação com a administração pública por três anos; e
• cancelamento de registro.

LEIA MAIS:

Proposta para mercado de carbono será enviada em agosto

Tocantins investe no mercado de carbono

Para regular mercado de carbono, Brasil sinaliza metodologia própria

Aprovada pelo Senado MP que estimula mercado de carbono na gestão de florestas

Com legislação, MT pode ser ‘Disneylândia’ do mercado de carbono

Conservar florestas pode colocar Brasil na liderança do mercado de carbono