HomePecuária

Acrimat divulga orientações sobre comercialização de gado

Acrimat divulga orientações sobre comercialização de gadoUma dica importante é, preferencialmente, vender o gado à vista. Foto: CNA

Produção sustentável de bezerros mantém legado de pecuaristas pantaneiros em MT
Adubação de pastagem é garantia de mais arroba por hectare
Você sabia que evitar atraso na estação de monta é vital para a produtividade?

O gado bovino tem se tornado uma mercadoria de grande valor e fácil comercialização. Mas, para que este negócio não seja marcado por prejuízos e dores de cabeça, os produtores precisam ter a atenção redobrada com a compra e venda do gado.

Por isso, a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) elaborou um material com algumas orientações quanto aos riscos de uma venda que não traduza na necessária segurança e liquidez ao vendedor.

A primeira orientação é de que, ao comercializar o gado, o produtor deve ter atenção para a idoneidade de pessoas ou empresas com as quais irá negociar.

“Prefira aquelas com bom histórico, que possam deixá-lo confortável quanto ao recebimento pela venda realizada. Lembre-se que o gado é seu, portanto, você tem direito de exigir até mesmo referências comerciais e outras a seu critério”, diz o documento da Acrimat.

Outra dica é procurar negociar os animais, preferencialmente, com pagamento à vista. Isso evita promessas de pagamentos futuros que podem nunca se cumprir, traduzindo em prejuízo ao pecuarista. Os produtores também não podem se deixar enganar com propostas de negócio cujos valores sejam acima daquelas praticadas pelo mercado. Assim evitam possíveis golpes.

“Não importa a modalidade de comercialização, ou seja, venda direta ou através de corretores e mesmo através de leilões. Não renuncie ao seu direito de poder estudar muito bem o contrato apresentado e, em especial, que garantias de liquidez estão te oferecendo”, lembra a Acrimat.

Também é indicado que nunca sejam comercializados animais sem a marca do produtor bem aplicada e no local recomendado, pois ela é a maior identidade dos animais e é uma excelente ferramenta, com fé pública em função de registro junto ao Indea.

Além disso, a orientação é que sejam somente embarcados animais com nota fiscal e Guia de Trânsito Animal (GTA), que devem estar dentro do prazo de validade e acompanhar a carga em todo o trajeto.  É indicado ainda que tenham anotados todos os documentos pessoais do transportador, para evitar possíveis prejuízos.

“Avalie bem, principalmente em tempos de crise, todo seu negócio, suas contas, tenha noção exata dos seus custos. Atualize-se com relação ao mercado, que fica muito volátil, sujeito a especulações.  Converse com outros pecuaristas antes de fechar seu contrato e fique atento para não deixar que, por falta de cuidado, o seu trabalho se perca no momento da venda”, reforça a Acrimat.

Fonte: Acrimat