HomeEcologiaEconomia

Trabalhador rural pode ser o maior aliado da natureza

Trabalhador rural pode ser o maior aliado da naturezaTrabalhadores são responsáveis por colocar comida nos pratos brasileiros. Foto: Agência Brasil

Banco Raiz investe cerca de meio milhão na agricultura familiar da amazônia mato-grossense
Projetos sustentáveis de MT receberão R$ 171 milhões
Sem veneno: selo orgânico aumenta demanda por produtos

Por André Garcia

Com 41% de sua área total ocupada por propriedades rurais, o Brasil tem mais de 18 milhões de habitantes no campo, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nesta quinta-feira, 25/5, Dia do Trabalhador Rural, o Gigante 163 os homenageia relembrando histórias de quem produz e coexiste em harmonia com a natureza, exemplos da verdadeira essência de homens e mulheres do campo.

O casal Valocir e Mirian Dalpiaz. Foto: Embrapa-MT

É o caso da família Dal Piaz. Há mais de três décadas os casais Valocir e Mirian e José Sérgio e Marlene Inez criam gado de corte na fazenda Vale dos Arinos, em Juara. Há mais ou menos três anos eles decidiram apostar em tecnologias mais sustentáveis e implantaram um conjunto de práticas acessíveis e mais adequadas ao meio ambiente. Passaram assim a identificar gargalos, reduzindo custos e aumentando os ganhos.

Junto aos filhos, eles recuperaram dois hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP) isolando a área, que recebeu sementes de árvores. Atualmente, do total do espaço, 277,50 hectares são destinados ao uso consolidado para o gado, enquanto outros 136,57 hectares são APP ou área de vegetação nativa (AVN).

Foi pensando no futuro do filho, Miguel, hoje com 4 anos, que o casal Marcos dos Santos Tizziani e Aline Gomes Leite Tizziani, ambos com 25 anos, resolveram implantar a agroecologia em sua propriedade, de 1 hectare. A partir da adoção do sistema eles começaram a produzir e comercializar banana e mamão em escolas e creches de Aripuanã, vendo a renda da família saltar de R$ 2 mil para R$ 10 mil ao mês.

“É preciso muito trabalho e dedicação. Comprei o sítio Estrela Celeste dos meus pais. Já tinha desistido da vida do campo, mas, como sempre gostei, decidi apostar e, quando fui convidado para participar do projeto, aceitei de pronto e estou muito satisfeito. Mudou a minha vida e hoje não preciso trabalhar fora da propriedade e tenho mais tempo para minha família”, afirma Marcos.

Miguel Tizziani na propriedade da família. Foto: Empaer

A agroecologia também vem garantindo bons resultados às irmãs Cleonice Rocha de Paula e Andrea Rocha de Paula, que vivem em um pequeno sítio, localizado no assentamento 12 de Outubro, em Cláudia. Ao diversificar a produção e apostar na fabricação própria de bioinsumos, elas garantiram mais qualidade de vida à família, aumento de 70% na renda mensal e redução nos gastos com alimentação e remédios.

“Cheguei aqui sozinha. Depois trouxe minha mãe, que já faleceu, e depois vieram minha irmã, meu irmão e mais três sobrinhos. Sempre moramos em sítio, mas antes éramos empregados. Hoje, quase tudo que a gente come é produzido aqui mesmo: as frutas, as verduras, o queijo, a manteiga. Não comemos margarina, por exemplo. Até a manteiga que usamos para fazer bolo, cuca e pão, é feita por nós”, conta Cleonice.

A estratégia dos bioinsumos tem se popularizado entre o setor, responsável por colocar comida no prato dos brasileiros. É o caso dos agricultores familiares do projeto Sinop Orgânico, que ajudam a abastecer uma das principais produtoras de grãos do país com alimentos básicos. Por meio estratégias sustentáveis, eles apostam na transição para a produção orgânica para alcançar incremento de até 30% nos lucros.

Cleonie e a sobrinha Ana. Foto: Arquivo pessoal

Na outra ponta de Mato Grosso, em Poconé, o produtor de gado Breno Dorileo faz questão de destacar os benefícios que a adesão ao Programa Fazendas Pantaneiras Sustentáveis (FPS) trouxe à sua propriedade, a Fazenda Conceição. Lá, foram constatadas melhoras na nutrição e na saúde dos bois.

“O programa traz uma nova visão ao produtor pantaneiro, fazendo a integração de sustentabilidade e produção. Quando meu pai faleceu, eu quis desistir da fazenda e estava convencido a vendê-la. O FPS veio como uma injeção de ânimo e esperança. Meu amor pelo campo, pelo Pantanal e pela pecuária vem de geração em geração. Não é uma profissão, é a nossa vida”, diz.

Espalhados por todo o país, histórias assim mostram diferentes faces do principal setor produtivo brasileiro. Embora convivam com inúmeros desafios, os trabalhadores do campo vêm se adaptando à tecnologia e à inovação, provando diariamente que o agro é o maior aliado do meio ambiente e que pode ampliar as oportunidades de negócios sustentáveis, impulsionando mais uma vez o crescimento do Brasil.

LEIA MAIS:

Família Dal Piaz enfrentou degradação de pastagens: veja resultados após boas práticas

Irmãs garantem subsistência e crescimento de renda com agroecologia

Conheça fazenda que é exemplo bem-sucedido da pecuária pantaneira

Uso de sistema agroflorestal muda vida de agricultores de Aripuanã

Sinop busca vencer baixa oferta de alimentos básicos com programa de agroecologia

Agro pode liderar estratégias para transformar biodiversidade em ativo financeiro