HomeEconomiaEcologia

Retirada de MT da Amazônia Legal prejudica o agronegócio, diz secretário do Formad

Retirada de MT da Amazônia Legal prejudica o agronegócio, diz secretário do FormadReserva legal não é empecilho para produtividade. Foto: Francisco Alves/Governo de MT

Caso Galvan escala racha do agro em torno de Bolsonaro
País tem 31 fundos de investimentos com valores que atingem R$ 7,5 bi
Clima extremo provoca quebra de safra com prejuízos bilionários

Por Vinicius Marques

No final de fevereiro, foi apresentado em Brasília um projeto que defende a exclusão do Estado de Mato Grosso da Amazônia Legal. A proposta tem sob pretexto reduzir as reservas legais das propriedades agrícolas para permitir a expansão das produções. No entanto, para produtores e demais entendedores do assunto ouvidos pelo Gigante 163 desde 14/03, a medida é insensata e contraproducente a médio e longo prazo.

Para Herman Oliveira, secretário executivo do Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Formad), o projeto — PL 337/2022, do deputado Juarez Costa (MDB-MT) — carece de análise aprofundada das consequências futuras e imediatas que o produtor enfrentará, caso aprovado. Isso porque o texto defende a redução das reservas para 20% da área de cada propriedade, sendo que, dentro da Amazônia Legal, o valor é de 80% para áreas de floresta e 35% para áreas de Cerrado.

“A Reserva Legal não é um empecilho para o aumento da produtividade”, afirmou Oliveira ao Gigante 163. “Pelo contrário, ela é um patrimônio do proprietário que tem a função de regulagem microclimática”.

As áreas de floresta que devem ser preservadas, segundo o secretário executivo, não são apenas em prol do meio ambiente, mas são aliadas diretas das plantações. A partir delas, processos hidrológicos ocorrem (como a evapotranspiração do ecossistema e evaporação de corpos hídricos), contribuindo para a irrigação de produções e hidratação do gado e demais animais da fazenda, mantendo-os saudáveis e enérgicos. “As chuvas ocasionais dependem fortemente dessa umidade mais localizada”, reforçou.

“Esse é um projeto irresponsável. Apesar de aparentar um ganho imediato de produtividade, já a médio prazo o produtor perde com a diminuição dos serviços ecossistêmicos da reserva,” disse o secretário da Formad.

O PL contraria ainda o posicionamento do próprio governador do Estado, Mauro Mendes, que ainda no ano passado afirmou que Mato Grosso estava alinhado aos demais países em prol do desenvolvimento sustentável. Há um ano, o governador assinava um documento declarando a importância dos estados que compõem a Amazônia Legal, ressaltando o grande serviço para a preservação ambiental e os interesses da humanidade.

“Nós, Estados que assinamos essa carta, queremos estar juntos com os EUA e juntos com qualquer país, qualquer nação, qualquer estado, qualquer cidadão, que possa nos ajudar em uma nova política ambiental, e reforçar os princípios de uma política ambiental que traga o real sentido de uma economia verde, e uma economia de baixo carbono. Queremos preservar não só pela importância que isso representa para a expansão dos negócios nos mercados internacionais, mas porque temos consciência ambiental”, afirmou Mauro Mendes à época.

“Do ponto de vista governamental, os países começam a olhar o Estado de Mato Grosso com desconfiança. Porque uma hora ele assume compromissos públicos internacionais e depois dá um passo atrás naquilo que diz respeito à conservação, preservação e até mesmo aumento de cobertura vegetativa”, lembrou Oliveira.

Para ele, tal contradição põe a credibilidade do Brasil em cheque e é um risco para produtores que trabalham de forma responsável no Estado. “O agronegócio brasileiro não é um bloco monolítico, mas dificilmente o mercado internacional enxerga os diferentes grupos dentro dele”. Assim, medidas incabíveis como o PL acabam por prejudicar produtores conscientes e que operam dentro da legalidade.

“Cabe uma pressão, por parte desses produtores, em explicar ao governo que a proposta não faz nenhum sentido”, disse o secretário. “Porque é muito provável que a comunidade internacional comece a fazer pressão sobre suas empresas e políticos pra criar restrições em relação à compra de produtos mato-grossenses, deixando-nos em uma situação constrangedora.”

Nos aspectos financeiros, o PL também conta com falhas que prejudicam o fomento do Estado. Por pertencer à Amazônia Legal, Mato Grosso faz parte da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), cuja finalidade é desenvolver a região amazônica economicamente. Assim, há serviços de incentivo que são atualmente oferecidos a setores regionais — como indústria e agricultura — e que o Estado pode perder. Um exemplo é o Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA), uma linha pública de crédito para empresas privadas com empreendimentos na Amazônia Legal. ” E aí eu pergunto, quem é que vai pagar a conta? No final, de uma forma ou de outra, é a sociedade.”

“Mato Grosso tem batido recordes anuais de safra e as reservas legais não têm impedido isso. Pelo contrário, as trocas entre essa cobertura vegetal e as plantações são um dos fatores que contribuem para essa produtividade. Então para quê serve o projeto?”, refletiu o secretário executivo do Formad.

A proposta, que altera o Código Florestal, está em análise na Câmara dos Deputados. O projeto será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

LEIA MAIS:

Retirada de Mato Grosso da Amazônia Legal recebe críticas

Contra desmatamento, rede de supermercado alemã boicotará carne brasileira

Lideranças querem criar “agenda da Amazônia” para próximo governo

Agro abriga área reservada à vegetação nativa equivalente a 33% do território nacional