HomeAgriculturaProdutividade

Estiagem causa perdas consolidadas na 2ª safra

Estiagem causa perdas consolidadas na 2ª safraEstiagem já afeta safrinha em alguns municípios de MT. Foto: Adriana_Maria/Aprosoja

Governo anuncia plano para reduzir emissão de carbono na agropecuária
EUA liberam petróleo de reserva estratégica contra alta no preço do gás
A solução para as crises hídricas está bem debaixo dos nossos pés?

Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) orienta os produtores quanto a possível quebra de safra por conta da estiagem. De acordo com o vice-presidente da entidade, Lucas Costa Beber, nos municípios de Diamantino, Paranatinga e mais 7 cidades estão há mais de 22 dias sem chuvas e Campinápolis, e Sapezal há mais de 30 dias.

“Preocupa muito a questão da estiagem no Estado com algumas cidades com mais de 25 dias sem chuvas. São municípios que têm uma produção expressiva, e isso preocupa muito, já que os custos estão subindo, o produtor faz os investimentos e acaba tendo perda. Viemos de um ano em que o produtor ainda conseguiu comprar os adubos em um preço razoável, mas a gente sabe que daqui pra frente o cenário preocupa com a alta dos insumos”, declarou Beber.

A Aprosoja-MT orienta o produtor que é momento de cautela. “Nos comuniquem os registros de estiagem em seu município, a gente sabe que tem muitas empresas estimando aí uma supersafra, mas na realidade já tem uma quebra grande no Estado, mesmo que ocorram ainda chuvas, já temos quebras consolidadas”, afirmou.

“Apesar do plantio da soja deste ano ter sido mais antecipado em relação ao ano passado, nós tivemos um atraso na colheita devido ao excesso de chuva, e também o plantio do milho por conta do excesso de umidade e do barro que dificultou o trânsito do maquinário”, concluiu Lucas.

De acordo com as previsões mais recentes do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no período de 26 de abril a 4 de maio, no Centro-Oeste, as chuvas deverão ser inferiores a 20 mm em praticamente toda a região, com os maiores acumulados concentrados em áreas de Mato Grosso e Goiás.

Fonte: Aprosoja e Inmet