HomeEcologia

Acusado por maior crime contra Pantanal recebeu R$ 10 mi do BB

Acusado por maior crime contra Pantanal recebeu R$ 10 mi do BBInvestigações foram motivadas por denúncia anônima. Foto: PJC

Amazônia Legal terá recursos para projetos de bioeconomia
Plataforma de agronegócio do BB movimenta R$ 1 bi de janeiro a julho
BB aceitará crédito de carbono em leilão de imóveis rurais

Por André Garcia

Apontado como responsável pelo maior crime ambiental já cometido em Mato Grosso, o pecuarista Claudecy Oliveira Lemes recebeu mais de R$ 10 milhões em crédito rural do Banco do Brasil (BB). Ele é investigado pelo desmatamento químico de uma área de mais de 81 mil hectares no Pantanal.

De acordo com levantamento feito a partir de dados públicos, ele teve quatro financiamentos concedidos pelo Banco do Brasil entre março de 2021 e março de 2022. Os contratos estão vigentes e têm vencimentos previstos para 2027 e 2029. Todos eles foram concedidos à Fazenda Soberana.

Recentemente, mostramos que resoluções do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Codem) garantiram ao pecuarista a aprovação para receber R$ 7,8 milhões em financiamentos com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).

Em 2020, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) já havia multado a Fazenda Soberana em R$ 6.853.650,00 por desmatamento ilegal em uma área equivalente a 1.370 hectares. Contudo, no ano seguinte, o BB concedeu três empréstimos a Claudecy para aquisição de 3 mil cabeças de gado.

Em 2022, um novo empréstimo foi concedido para a aquisição de um avião.

Em um dos autos de infração emitidos em 2023 pela Sema (Auto de Infração nº 1369000223), a Fazenda Soberana também aparece como receptora dos agrotóxicos possivelmente utilizados para a prática de desmate químico realizado nas fazendas vizinhas, todas de Claudecy.

Além da Soberana, outras quatro fazendas do pecuarista no Pantanal foram objeto de embargo da SEMA/MT. Sete autos de infração foram registrados nessas propriedades rurais entre 2017 e 2021. No total, esses autos somam R$ 37.896.943,50 em multas aplicadas.

O que diz o BB

À reportagem do Ecoa, o BB informou que não comenta casos específicos em respeito ao sigilo bancário e reiterou o compromisso para seguir as legislações e regulamentações sobre o tema.

“O BB está seguro sobre a conformidade em seus processos de concessão de crédito, que são acompanhados por órgãos reguladores e fiscalizadores”, diz trecho de nota enviada pela assessoria de imprensa.

Desmatamento químico

Alvo de operação da Polícia Civil de Mato Grosso (PJC), Claudecy é investigado por despejar 240 toneladas de agrotóxicos com avião agrícola em suas fazendas, localizadas em Barão de Melgaço (140 km de Cuiabá).

Segundo especialistas, a abrangência dos 25 agrotóxicos que ele teria usado para exterminar plantas e animais é muito maior que a área de suas propriedades e seus componentes continuarão a agir por décadas na região. A multa pelo crime e o valor da reparação do dano ambiental são de R$ 5,2 bilhões.

Reincidente em crimes ambientais, ele também vem descumprindo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público (MPMT) para a recuperação de vegetação em suas fazendas. Na última semana, ele teve o segundo pedido de prisão preventiva negado pela Justiça.

LEIA MAIS:

Acusado por crime ambiental em MT tem 2º pedido de prisão negado

Recuperação de área comprometida por desmate químico é improvável

Pecuarista que devastou Pantanal recebeu R$ 7,8 mi em recursos públicos

Efeitos de desmate químico podem ser sentidos em até 50 anos

MP quer prisão preventiva de pecuarista que desmatou Pantanal

Desmate causado por pecuarista pode afetar outras fazendas de MT